• Marina Ferrari

Suco: quando, como e por que (não)?

“Minha bebê completou 4 meses. Quando começo com os suquinhos de fruta?” foi a pergunta que vi esses tempos num grupo de mães do Facebook.


Culturalmente, o suco de frutas foi por muitos anos o primeiro item alimentar diferente de leite ou fórmula oferecido às crianças. Por muitos anos essa era, e acabou se perpetuando como, a orientação dos pediatras e das avós.


Mas a ciência evolui, pois se observam as consequências dessas abordagens ao longo dos anos e todos precisamos nos atualizar (até as vovós).


Salientando que falarei aqui sobre suco de fruta DE VERDADE, sem adição de flavorizantes artificiais e sem adição de açúcar. Os produtos que contém esses compostos nem deveriam ser chamados de sucos, e a recomendação é a mesma que refrigerantes: o consumo deve ser mínimo. No Brasil o nome desses nas embalagens são “refresco” (que não tem NADA de suco dentro) ou “néctar” (que uma parte pequenininha dentro é suco, mas a maioria é água com açúcar e corante).


Hoje vou trazer aqui as orientações mundiais mais atualizadas sobre a oferta de sucos para as crianças.


É consenso entre as recomendações do Reino Unido, dos Estados Unidos e do Brasil que não se ofereça nenhum tipo de suco de frutas até a criança completar um ano de idade.


A orientação britânica é que, após os 12 meses, se limite o consumo de suco a 150ml por dia tanto para adultos ou crianças. Aos menores de 5 anos, a orientação é que o suco de fruta seja diluído na proporção de 1 parte de suco para 10 partes d’água. Além disso, que sejam oferecidos apenas com as refeições e não nos intervalos.


Já a Associação Americana de Pediatria e o Guia Alimentar Brasileiro reforçam ainda mais que criança precisa COMER a fruta (sólida) e BEBER água. Devem criar esse hábito desde o início. Vamos ver por quê?


O suco de frutas não oferece nenhum benefício adicional à fruta inteira para bebês e crianças de qualquer idade. E a oferta de suco de fruta não oferece nenhum benefício a crianças menores de 1 ano. Ao contrário, os sucos oferecem risco de excesso de ganho de peso e má nutrição.


Os benefícios da ingestão de frutas (sólidas), além claro, dos nutrientes, são que a criança precisa mastigar e exercitar a musculatura da boca e do rosto, e as fibras da fruta previnem a prisão de ventre, efeito que se perde ao serem processadas a suco.


Entre os riscos da ingestão se sucos, encontramos:

- Que por serem de “fácil” consumo, há uma maior chance da criança ingerir mais que o necessário em energia;

- Que dificulta a ingestão de água pelas crianças;

- Que ao serem ingeridos nos intervalos das refeições, aumentam a chance de cárie dentária;

- Associação com má nutrição (a criança pode estar deixando de comer outros alimentos importantes, além de estar recebendo em excesso os carboidratos da fruta);

- Associação com infecção, nos casos de baixa higiene para a produção ou inadequado armazenamento;

- Risco de diarreia, se consumido em excesso.


Outras recomendações dos guias são:

- Não deve ser dado às crianças suco em mamadeiras, copos de transição ou garrafinhas para ser consumido ao longo do dia;

- Não deve ser oferecido suco às crianças no horário de dormir;

- Se sucos forem oferecidos, devem fazer parte de uma refeição, e não devem ser utilizados para hidratar a criança nos intervalos;

- Os sucos não devem estar sendo utilizados pela criança para auxiliá-las a engolir o alimento sem mastigação adequada.


Perde-se aproximadamente 4 vezes a quantidade de fibras de uma fruta ao transformá-la e suco, mesmo sem coar, e normalmente é preciso duas a três porções de frutas para se ter um copo de suco. Ou seja, dar suco no lugar de dar fruta é oferecer às crianças fibras de menos e energia em excesso.


Vamos resumir, então?

- Aos bebês não deve ser oferecido suco;

- Suco não é necessário a nenhuma criança*, independente da idade;

- Sucos podem ser oferecidos a crianças maiores de 1 ano, de forma diluída até os 5 anos, com limite de 150ml por dia em qualquer idade, fazendo parte de uma refeição;

- Toda criança deve receber frutas variadas diariamente;

- Para sede e hidratação, ofereça água.


*salvo em casos específicos, por recomendação profissional

Referências:

- American Academy of Pediatrics - Fruit Juice in Infants, Children and Adolescents: Current Recommendations (2017)

- Ministério da Saúde - Guia Alimentar Para Crianças Menores de 2 Anos (2018)

- UK - Your Pregnancy and Baby Guide (2018)

© 2018 by Marina Ferrari

EMAILverde.png
IGitemverde.png
faceverde.png
       Unauthorized use and/or duplication of this material without express and written permission from this site’s author and/or owner is strictly prohibited. Excerpts and links may be used, provided that full and clear credit is given to Marina Ferrari, with appropriate and specific direction to the original content.