As primeiras 24 horas do bebê - Parte 2



E depois da primeira mamada?


Sono


Dentro das primeiras 2 horas de vida, o bebê varia entre curtos períodos de sono leve e estado tranquilo de alerta, em que faz uma série de “lanches” (curtas mamadas) que são parte de uma “refeição”.


Após esse período, o bebê normalmente entra em sono profundo. (Mães, APROVEITEM! A partir de agora, sempre que bebê dorme, mamãe dorme.) Entre as 2 e 20 horas de vida, a maioria dos bebês intercalam em períodos de sono profundo e sono leve.


Depois de um grande descanso, o bebê volta a ficar mais alerta, e normalmente entre 20 e 24 horas de vida, o bebê realizará de 5 a 10 "lanches" por 2 a 3 horas, seguidos de sono profundo por 4 a 5 horas (Aproveitem de novo, mamães.)


E a partir disso o bebê poderá mamar conforme demanda, sempre que ele estiver em estado alerta, seja ele tranquilo (quietinho, paradinho) ou ativo (movimentando-se).


OBS: Alterações clínicas do bebê que exijam separação da dupla pode atrapalhar o ciclo natural. O ideal é que o bebê seja colocado pele-a-pele no ventre da mãe assim que possível. No caso da mãe precisar de cuidados médicos, o bebê pode ser colocado em pele-a-pele com o pai e receberá todos os outros benefícios da prática.


OBS2: O uso de medicações pra dor e/ou cesárea podem interferir nesses horários, atrasando-os. O bebê precisará de mais tempo e mais oportunidades de contato pele-a-pele com o ventre da mãe.


Não diga '"apenas" colostro'!


O colostro oferece imunidade ao bebê de várias formas, entre elas: oferecendo os anticorpos da mãe e também formando uma barreira protetora no trato gastrointestinal do bebê.


Ele também contém maiores concentrações de proteínas e ferro do que o leite maduro. E diferente do que muitas pessoas dizem, ele oferece energia ao bebê em quantidade suficiente para manter a glicose do bebê e evitar uma perda de peso maior do que a já esperada em recém-nascidos.


A ingestão de colostro também auxilia na eliminação de mecônio, que por sua vez reduz icterícia no bebê.


Existem dois grandes motivos para que o bebê receba pouca (mas frequente) quantidade de colostro:

- O primeiro é que a quantidade pequena oportuniza o bebê a aprender a coordenar respiração-sucção-deglutição. Se fosse muita quantidade nesse período de aprendizado, ele poderia se engasgar.

- O segundo motivo é que a pequena quantidade auxilia a uma maior concentração dos fatores protetores do colostro.


Eliminações


É esperado que nas primeiras 24h de vida o bebê elimine urina e mecônio, ao menos uma vez cada.


O mecônio são fezes extremamente escuras e de consistência pegajosa.

A urina, nos primeiros 3 dias, pode apresentar cristais de ácido úrico (alaranjados) e não é motivo de preocupação nesse primeiro momento (atentar se continuar após dia 3).


Como eu sei quando amamentar?


Normalmente as mamadas vão acontecer nos períodos em que o bebê estiver alerta, seja tranquilo ou ativo. Eles podem apresentar sinais como levar a mão à boca, sugar em algo que está próximo (cobertor ou dedo de alguém), movimentos com a língua e abrindo a boca. Recém nascidos não costumam chorar de fome nas primeiras horas, pois ainda não a reconhecem. Mas é normal eles mamarem muito frequentemente!


Considerando que o bebê não entende a diferença entre fome e necessidade de sugar, o uso de chupeta é contraindicado nesse momento, pois atrapalha a identificação da necessidade de mamar do bebê, além de reduz o estímulo da mama e atrasar a descida do leite maduro.


Se o bebê chorar, ele pode ser colocado pele-a-pele para se acalmar. Quando o bebê está chorando, ele não consegue mamar (pois ele trava a língua no céu da boca). Precisa ser tranquilizado antes de ser colocado para mamar, e como já dito, o ventre da mãe é o local perfeito para isso.


E quando as coisas não saem como planejado?


Caso o bebê tenha que ser separado da mãe para cuidados clínicos, iniciar a expressão manual de colostro dentro das primeiras 6 horas após o parto foi associado a maior produção de leite no dia 6 e na semana 6 pós-parto. Quando a expressão é iniciada dentro de uma hora após o parto, a resposta é ainda melhor.


Quando as mães iniciam cedo a estimulação das mamas e a expressão de colostro, seja manual ou com uso de esgotadeira elétrica padrão hospitalar, elas consequentemente poderão oferecer o seu leite, em vez de fórmula industrializada, como alimento para seu bebê. Essa atitude reduz os riscos de alergia a proteína do leite de vaca e oferece um microbioma mais adequado ao bebê (que oferecerá proteção a infecções).


Normalmente expressão manual é mais eficaz para expressão de colostro quando comparada a expressão utilizando esgotadeira elétrica.


Ou seja, o que a mãe deve fazer é: avisar a equipe de enfermagem do seu desejo intenso de amamentar e solicitar ajuda para realizar expressão de colostro, primeiramente com técnica manual, e depois também utilizando uma esgotadeira de qualidade se acessível.

Referências:

- Sadeh et al - Newborns' sleep-wake patterns: the role of maternal, delivery, and infant factors. (1996)

- Moore et al - Maternal-newborn nursing: theory and practice (1997)

- Hill et al - Effects of pumping style on milk production in mothers of non-nursing preterm infants (1999)

- Wheeler B - Health promotion of the newborn and Family / Wong's essentials of pediatric nursing 9th ed (2013)

- Riordan J - The Biological Specificity of Breastmilk / Breastfeeding and Human Lactation Enhanced 5th ed (2016)

54 views0 comments

Recent Posts

See All